0

Qual vinho beber com Sushi e Sashimi?

Qual vinho beber com Sushi e Sashimi ?

Como pode ter adivinhado olhando o nosso Instagram, adoramos sushi e sashimi… Duas pontes de combinado do restaurante japonês local, no pé da serra, acompanham nosso jantar de sexta feira, reunião de trabalho que encerra a semana!

Apesar de ver nos restaurantes muitos japoneses acompanhando o jantar com Whisky… não recomendo!

O acompanhamento trivial, o saquê, é muito bom, mas a oferta em Guapimirim é limitada e nem todo mundo gosta, então recorremos ao meu pecado original: o vinho! Aliás, nem sei se é pecado…

Peixe cru é muito delicado e as diferenças de gosto são sutis, a gordura é relevante, a textura importa muito. O arroz do sushi tem uma nota acidulada.

Não pode ser um vinho que “esmaga” a comida, mas também não pode ser um vinho dominado pelo wasabi e gengibre.

Vamos lá com as opções que achamos validas até agora:

 

Espumantes:

O gás que escapa do espumante contribui a reforçar os aromas delicados do sashimi.

Recomendo Champagne “bien sûr”, mas um Vouvray brut bem estruturado é show!

Pode ser um branco ou um Crémant rosé da Alsácia, que se sairá melhor ainda, se tiver tendência a forçar no wasabi.

Em todos os casos, um Brut leva vantagem.

Brancos:

Solução evidente e tradicional para harmonizar com peixe.

Porém, não qualquer branco. Eu evito os brancos mais encorpados e pesados da Bourgogne ou do Rhône, potentes demais, que dominam o prato. Fujo do barril de carvalho.

Vale um branco seco, mineral, floral, frutado, eventualmente com um pouquinho de açúcar residual, como no Pinot Gris, Cuvée des Princes Abbés do Domaine Schlumberger, esse último forma o casal vinte com o “salmon skin” com molho Teriaki.

Geralmente, brancos da Alsácia combinam bem, do Riesling mais seco ao Gewurztraminer muito aromático, cuja vivacidade equilibra o doce, passando pelo Sylvaner.

Um Sancerre branco da Loire, com notas de pedra de isqueiro, se sai bem.

Destaque ao Viognier Chardonnay do Mont Ventoux. Muito aromático, porém sequinho, um final salgado na lateral da língua o faz realçar o sashimi.

Rosés:

O meu curinga! Satisfaz quem não suporta o vinho branco à noite (ou de dia!) e casa bem com o peixe cru. De boa estrutura, enfrenta wasabi e gengibre.

Tïntos:

Não é uma escolha evidente, porém, se for um tinto leve e vivo, é opção válida.

Por isso, minha escolha vai para os Gamay do Beaujolais, o Mâcon Pierreclos ou ainda um Sancerre (Pinot Noir) ou um Valançay da Loire (Gamay, Pinot Noir e Malbec).

Da mesma forma, serve um simples Bourgogne, jovem, leve e frutado, sem ou não marcado por madeira.

Não recomendo tintos mais encorpados e/ou envelhecidos em barril, por isso, os Bordeaux e vinhos do Vallée du Rhône ou do Sudoeste ficam de fora da minha escolha.

Enfim, evito vinhos de grau alcoólico elevado, eles queimam o peixe cru!

« Bon appétit et longue soif ! »

 

François Dupuis

Selecionador de vinho do Club du Taste-vin desde 1992.

Receba nossas
informações sobre
vinhos e eventos

Não preencher:

Agência Fante - Marketing Digital

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.